Ele Encontrou Esta Bebé Condenada Numa Vila Pobre. Mas Veja 3 Anos Depois!

Em Abril de 2013, um fotógrafo chamado Arindam Deywas visitou uma aldeia em Tripura, um estado montanhosa no nordeste da Índia. Lá, Deywas ficou chocado ao descobrir Roona Begum, uma menina bebé de 18 meses de idade cuja cabeça era três vezes o seu tamanho normal. Profundamente afectado por esta pobre criança, Deywas quis saber mais de Roona e seus pais, aproveitando para tirar algumas fotos íntimas da família.81681-smallv2-350419Roona nasceu com hidrocefalia, uma doença potencialmente fatal que resulta num acumular de água no cérebro. Entre muitas coisas, Roona era incapaz de se sentar na posição vertical ou gatinhar. Quando nasceu, os médicos locais disseram aos pais para levá-la a um hospital privado, mas pais de Roona com apenas 18 anos eram pobres, trabalhavam ao dia e eram analfabetos. Simplesmente não podiam pagar o tão necessário tratamento médico da filha. Dia após dia, eles rezaram por um milagre.

Deywas compartilhou as incríveis fotos de Roona com publicações em todo o mundo. Roona e seus pais nunca esperavam o que depois aconteceu…317475_230647867066917_431891408_n-600x375Arindam Dey prontamente compartilhou as suas fotografias de Roona com jornais de todo o mundo. Estas fotos resultaram numa manifestação de apoio global que angariou 62.000 dólares! Roona finalmente foi capaz de iniciar o tratamento, que envolveu a drenagem cirúrgica de fluido cerebrospinal.1524571_316555105142859_1971593591_n-600x380Após 10 cirurgias, a cabeça de Roona passou de 37 para 23 polegadas de circunferência. Por estes dias, os pais descrevem-na como uma criança alegre e risonha. Ela é capaz de segurar a cabeça e até mesmo se comunicar em sílabas curtas.1546294_322404824557887_1790745138_n-600x387Em 2014, com cinco anos de idade esta menina sorriu pela primeira vez. Os médicos ficaram chocados por Roona sobreviver, quando o seu prognóstico inicial era de apenas alguns meses.

Pessoas de todo o mundo estão a seguir a história de Roona, rezando para que ela recebe os cuidados necessários para continuar a sua recuperação. A sua mãe Fátima e o Pai Abdul esperam que ela um dia comece a ir para a escola.